sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Harmonia é o estado feliz da alma

Barraca Pé na Praia
Presente é estar aqui.Ainda é cedo.O mar está crespo e arrebenta forte.Risco no céu do avião que passou.
Rastros de felicidade que deixo aqui e ali por onde passo.O lume da candeia,sempre acesa,sempre quente é como me sinto neste estar de paz.
O vento forte areja a alma e vivifica o corpo.Contraste do sol quente com o vento frio,o estar e o movimento.Os voleios das mechas pesadas dos cabelos,a mão viva nas letras redondas,a escrita que se recomeça como os dias que a cada dia surgem novos.É tudo prata neste perder de vista.É tudo ouro,canga amarela,banana da terra,cuíca no som de jazz.É tudo um ponto.É tudo pronto.O nenem de olhos espertos no carrinho de bebê.
O banco de areia,o banco de pau,a mesa de madeira.Formigas diligentes com o pequeno corpo acelerado.
Nada é previsível nem tão importante quando se olha o mar.A criação não é previsível.Deus não é previsível,a não previsibilidade harmônica.O ser sendo,o é sem se importar se é.
Numa plaquinha de madeira azul escrito em branco:"Fumante segure as pontas".
Sigo as pegadas que o mar apaga,piso na areia transformista.O agora é esta hora bendita de outro mundo e tudo que preciso cabe na sacola transparente e o amor é fazer rolar o corpo na esteira do chão.
Quanto desperdício de tempo com coisas de acumular.Espreguiçadeira e almofadas.Caetano canta musa híbrida.O pintor busca a luz ideal,o tom ,a cor;o escultor a forma,a força, a proporção;
o fotógrafo o ãngulo,o foco,o enquadramento,e o poeta trabalha com o que tem,na busca por êle mesmo encontra palavras,filosofias,atmosferas,estados de espírito.Faz a história e a transcreve enquanto tudo acontece quente.Atos crus que viram fatos.Ele tem ao que se ater
quando a alma voa.Poemas carregados de vento e velocidade por vezes uma pasmaceira.
Sou esta onda que bate no chão e se acaba.
A cançoneta italiana linda.
Passa o homem com chapéu de cangaço.
Tão Brasil,tão íntimo da minha alma,a canção chorosa e o galope ligeiro.A sensação deste só onde ninguém me pega.
O bebê aconchegado a mãe,enrolado no sling azul sorri,sorri muito e olha para o céu encantado com as ramagens que balançam,a surpresa das borboletas,o rasante dos pássaros.
O bebê fala a linguagem dos anjos,um mantra atrapalhado e divertido.
Harmonia é o estado feliz da alma.

3 comentários:

Cristina Figueiredo disse...

Cris...voce é linda, um ser totalmente iluminado...voce é a própria poesia,harmonia...e o estado feliz da alma, é o que sentimos quando estamos ao seu lado ou quando temos o previlégio de ler poemas como este. Obrigada por ter um dia cruzado o meu caminho... e em Trancoso...Bjs, te amo muito...
CristinaFigueiredo

Vanessa disse...

Amiga, amada, eu trancozense de corpo e alma, não podia ficar mais feliz de encontrar esse blog tão lindo e insipardo.
Só quem já esteve aqui é que sabe o que essa atmosfera de mistério causa.Um beijo enorme, muita luz, harmonia. ´Nos encontramos em breve.

Anônimo disse...

Olá Cris! Feliz a Terra que tem uma poetisa como a Cris a "cantá-la". É sempre delicioso "ver" as "telas" pintadas pelas suas doces palavras.
CN